TostadaCast #23 – Perrengues de viagem

Se for pra ter perrengue, que seja viajando. Não ensinaremos como evitá-los, mas sim como persegui-los e principalmente a não aprender com os erros. Bjs

Tem um aparelho da Apple, magnata? Clique aqui para ouvir no celular

Nos persigam no facebook: http://on.fb.me/1KmiUeW

Sugestões, esporros, dúvidas e bolo: contato@tostada.com.br

O melhor jeito de ouvir podcasts é pelo feed. Copie e cole o link no seu aplicativo de podcasts: http://feeds.feedburner.com/tostadacast

TostadaCast #22 – Fazer um mestrado fora do Brasil

Histórias de 4 pessoas que decidiram fazer um mestrado fora do Brasil. Mas especificamente,  na Australia, em Barcelona e Madrid. Como elas vivem, como escolheram seus cursos, quanto pagam e como começaram a fumar. Essas e muitas outras dúvidas sobre intercâmbio e morar fora do Brasil no TostadaCast dessa semana/mês/ano/década.

Tem um aparelho da Apple, ryco? Clique aqui para ouvir no celular

Nos persigam no facebook: http://on.fb.me/1KmiUeW

Sugestões, esporros, dúvidas e Tabaco: contato@tostada.com.br

O melhor jeito de ouvir podcasts é pelo feed. Copie e cole o link no seu aplicativo de podcasts: http://feeds.feedburner.com/tostadacast

Top 4 Melhores Documentários para ver no Youtube.

Você, garotinho juvenil que ainda não descobriu os prazeres de um bom documentário: isso tem que acabar. Aqui vão 4 filmes que estão no The Youtube para você se ligar na beleza/desgraça que só a vida real pode oferecer. Pra quem já é do ramo, pelo menos vai ter boas dicas de filmes for free.

Graffiti Wars

Tudo começou quando em 2009 Banksy (ele mesmo, o cara na imagem em destaque nesse post) pintou sua arte por cima de um dos graffitis mais importantes da década de 80 na Inglaterra, feito pelo ícone do movimento, King Robbo. Basicamente o filme é sobre a treta desses dois e como um foi superando o outro sobrepondo suas artes na mesma parede. Muito bom e com plot twist no final.

NOTÍCIAS DE UMA GUERRA PARTICULAR

Lembra Tropa de Elite? “Pede pra sair”, “não vai subir ninguém”, “…você tá no meu grupo do Foucault” (essa última surpreendeu, pode falar). Então, basicamente esse é o embrião do filme. Várias entrevistas com traficantes e policiais mostrando a guerra civil que o RJ vive. Detalhe, o filme é de 93. Não tem heróis, vilões ou frases de efeito, apenas crua realidade.

WORLD’S SCARIEST DRUG

Imagina estar andando na rua e vem um civil aleatório, assopra na sua cara e pronto, a partir de agora você, conscientemente, fará tudo que esse estranho pedir. Imperio?! Não, segundo o vídeo, Scopolamina é um droga usada para aplicar golpes na Colômbia. Eles mostram vários casos e histórias bizarras de pessoas vítimas disso. Coisa do demônio agressiva. Não sei como ainda não fizeram um filme de terror com essa porra.

O riso dos outros 

Qual o limite do humor? Uma das perguntas que mais se ouve por aí depois de “tem no Netflix?”. Documentário PT-br com várias celebridades do ramo falando o que eles pensam sobre essa questão. Mesmo sendo um filme de 2012 vários tópicos bem atuais são confrontados. Ah, e dá pra ver como o humor que tem espaço no Brasil ainda tem muito que melhorar. Eles mostram umas piadas que dão vontade de pedir pro pescoço engolir a cabeça.

Por: Pascoal Martorelli

TOP 4 Canais do Youtube que você precisa ver!

Nem só de Whinderson, Kéfera e Minecraft vive o Youtube. Nada contra essa galera, aliás, TUDO a favor, a beleza da internet é que tem espaço pra tudo nela. A ideia desse Top 4 é mostrar outra gente que tá produzindo conteúdo de extrema qualidade a uma aba de distancia do seu navegador. Um mundo “além viral” que possivelmente você nem sabia que existia e provavelmente ficará viciado nele.

“Ah, mas a maioria é em inglês”. Cidadão Amigo, o mundo não é esse Bomba-Patch-Legendas.Tv que você está acostumado não. A dica é tentar não ficar de fora de boa parte das coisas legais que tem por aí porque não sabemos o idioma delas.

Grosteinandrade

Captura de Tela 2017-08-13 às 15.21.08

Já tinha visto o documentário “Quebrando o Tabu” (veja!) do Fernando Grostein, mas acabei conhecendo o grosteinandrade por acaso quando um amigo compartilhou no The Facebook. O canal funciona como um spin-off do filme, tratando temas que são tabus na nossa sociedade, como: drogas, bullying, homossexualismo… É válido para confrontar a hipocrisia nossa de todo dia.

Por onde começar a ver:A incrível história da menina prodígio”. Uma menina de origem muito pobre que, por meio de seus esforços próprios, trabalho, força de vontade e, claro, sem mimimi, conseguiu estudar em Harvard. História que todo brasileiro adora ouvir, né? Veremos.

Drugslab

Captura de Tela 2017-08-13 às 15.21.54

Três jovens holandeses contam os efeitos que cada droga tem no corpo humano. Como? Simples, experimentando. Aí você diz: APOLOGIA! Calma, é tudo muito técnico, didático e consciente. Os vídeos são experimentos científicos de como é ficar “chapado”. Lembre-se que “a chave para sair da ignorância é o conhecimento” (Turma da Mônica). Gostou né, maconheiro? Vai morrer antes do Natal.

Por onde começar a ver: Comece com as drogas mais conhecidas e que você provavelmente tem curiosidade. Eles experimentam coisas muito sinistras. Tem um de “magic truffles” que bate forte. Ah, é em holandês, mas dá pra ativar legendas em inglês.

CrashCourse

Captura de Tela 2017-08-13 às 15.28.23

Carinhas meio pistolas e carismáticos com a simples missão de contar a história do mundo. Não só do Mundo em si, mas da física, biologia, mitologia e, ora veja, dos games. A edição é rápida e a oratória muito boa. Esses temas normalmente chatos (pra caralho) ficam muito agradáveis e fáceis nos vídeos.

Por onde começar a ver: Comecei pelo curso World History. São 42 vídeos no total. Fui do primeiro mas confesso que pulei alguns temas que não me interessavam muito. Meu próximo será mitologia.

VICE

Captura de Tela 2017-08-13 às 15.30.04

Sendo sincero, VICE foi o canal que me fez querer escrever esse post. Que a internet é melhor do que a TV (menos HBO) isso eu não tinha menor dúvida, mas chega a ser obsceno a qualidade que esses caras tem. E todo mundo precisa ver isso. Basicamente um grupo de pessoas pegam temas MUITO (desculpa mas não dá pra sintetizar em uma palavra) intrigantes-arriscados-atuais-polêmicos e fazem vídeos fodas sobre eles. Só pra ilustrar, eles vão do “mulheres que se apaixonam por sexy dolls” até guerra civil africana. Meu irmão, é só pedrada!

Por onde começar a ver: Eu comecei com “The Cannibal Warlords of Liberia” que me fez perder toda a fé na humanidade. Se você for hardcore vai nesse também. Depois disso não consegui mais parar.

Adoramos novas sugestões, então se souber mais algum canal por favor deixa nos comentários que a gente certamente vai ver.

Por: Pascoal Martorelli

TostadaCast #21 – Sou gordo e sou feliz. Ou não!

Thiagão, Caetano, Lemos, Marrentinho e esse que vos fala, comentam as belezas e facilidades da vida de quem é gordo. Como nós.

E antes que vocês nos xinguem, o que deveriam de fato fazer, pelas merdas que falamos. Há algumas fontes mais confiáveis que explicam muito melhor alguns “argumentos” que falamos nesse post e desmentem outros, são eles: Documentário Fed Up (tem no Netflix) e os livros Sal, Açúcar e Gordura; Sugar Blues.

Download

Nos persigam no facebook: http://on.fb.me/1KmiUeW

Sugestões, esporros, dúvidas e arroz: contato@tostada.com.br

O melhor jeito de ouvir podcasts é pelo feed. Copie e cole o link no seu aplicativo de podcasts: http://feeds.feedburner.com/tostadacast

TostadaCast #20 – Expectativas GoT Temporada 7

Thiagão, Garcia, Lemos, Vasi, Torta Quente e esse que vos fala, falam das expectativas para a sétima temporada de Game of Thrones.

Um pouco tarde? Sim. É isso.

Spoilers a partir do S07E02.

Download

Nos persigam no facebook: http://on.fb.me/1KmiUeW

Sugestões, esporros, dúvidas e tortas: contato@tostada.com.br

O melhor jeito de ouvir podcasts é pelo feed. Copie e cole o link no seu aplicativo de podcasts: http://feeds.feedburner.com/tostadacast

Tostada Review – 13 Reasons Why (Netflix)

Poucos são aqueles que podem dizer que passaram por anos e anos de escola ilesos de qualquer experiência minimamente traumatizante. E se é até da própria natureza das crianças e adolescentes levar jeito para praticar entre os próprios atos condenáveis, dê a eles, a partir da tecnologia, todas as redes sociais, novas telas, e o anonimato que traz internet, e pronto, você tem a equação perfeita para um novo e mais brutal tipo de bullying.

E é justamente neste ambiente que se desenvolve 13 Reasons Why, novo drama da Netflix, fruto da adaptação do best-seller homônimo do escritor Jay Asher, e trazido para a plataforma de streaming por Brian Yorkey. Na série, tudo começa semanas após o trágico suicídio da aluna Hannah Baker (Katherine Langford), que apesar de morta, é parte integral da trama a partir de diversos flashbackes e o recurso narrativo das treze fitas cassetes, gravadas por ela antes de tirar a própria vida.

Desajustado socialmente e ainda sem superar o acidente de semanas atrás, Clay Jensen (Dylan Minnette) é ex-colega de trabalho de Hannah e recebe na porta de casa as tais fitas. Cada episódio tem como tema um dos áudios. E as instruções são simples. Ouvi-las e descobrir através da própria Hannah os motivos que a levaram ao ato mais extremo que uma pessoa pode ter em relação à própria vida.

Explorar as muitas festas produzidas pelos alunos, a rotina das mais variadas aulas e os diversos eventos da escola fazem crer que a série teria um tom mais leve. Coisa justamente que a produção refuta logo nos primeiros minutos. 13 Reasons Why é um drama pesado, poderoso, impactante e com a clara missão de chamar a atenção de todos para graves consequências que simples atos, à primeira vista, podem gerar.

Hannah compara a própria história de final triste com a Teoria do Caos. Muitos e pequenos atos de malícia, ou a simples indiferença ou falta de atenção, se combinam, reagem, e são capazes de gerar uma tragédia. É o que acontece com Hannah, que sofre desde fofocas até assédio sexual e situações muito piores. E por já sabermos desde o início o desfecho da história da adolescente, fica para a série contar como e por que Hannah desistiu de viver.

Por falar em Hannah, a atuação da novata Katherine Langford rouba a cena. Desde a primeira cena tem-se uma menina que irradia brilho e otimismo, mas que vê o emocional minado aos poucos conforme a vida e os colegas de escola a decepcionam. Já Dylan Minnette consegue fazer crível, na maioria das vezes apenas com expressões faciais, uma personagem destruída pela ação de Hannah e que vai buscar vingança ao entender o que realmente houve.

O melhor fica mesmo para quando os dois dividem a tela. Há muita química entre eles, mesmo para dois personagens que não conseguem admitir e saber ao certo o que sentem um pelo outro. E a série consegue guardar bem o mistério ao longo do desenrolar da trama sobre qual a relação verdadeira entre os dois e como Clay é um dos trezes porquês de Hannah.

Só que 13 Reasons Why não conta apenas com pontos positivos. A narrativa pode cansar por usar em todos os episódios a mesma estrutura de construir e amarrar a trama. Diferentemente do livro, em que Clay escuta todas as fitas em apenas uma noite, na série, o protagonista leva dias para escutá-las e revisitar os locais por onde Hannah passou. Difícil acreditar que nos dias de hoje, ele não ouvisse tudo de uma vez. Principalmente por ter de lutar contra a ansiedade de saber desde o início que está envolvido direta ou indiretamente (Ele só saberá escutando) no suicídio.

Diferente do que muita gente disse por aí, 13 Reasons Why não é a melhor série produzida pelo Netflix, mas ela cumpre um papel importante em trazer para o debate questões como o bullying, o machismo e o suicídio entre os jovens. De assunto denso e com muitas cenas pesadas e desconfortáveis, o novo produto da gigante dos streamings percorre com sucesso, apesar de certos solavancos pontuais, a jornada de uma jovem destruída pela vida e um outro determinado a saber o porquê.

Por Filipe Nunnes

TostadaCast #19 – Que saudade dos Anos 90

Thiago Feder, Garcia, Lemos e esse que vos fala, relembram e se emocionam com os saudosos Anos 90. Essa época linda!

Nos persigam no facebook: http://on.fb.me/1KmiUeW

Sugestões, esporros, dúvidas e figurinhas brilhantes: contato@tostada.com.br

O melhor jeito de ouvir podcasts é pelo feed. Copie e cole o link no seu aplicativo de podcasts: http://feeds.feedburner.com/tostadacast

TostadaCast #18 – Black Mirror e o terror da realidade

Thiago Feder, Caetano, Thiago Martins e esse que vos fala, entram pelo espelho de Black Mirror, uma série pra quem tem estômago (e Netflix).

Nos persigam no facebook: http://on.fb.me/1KmiUeW

Sugestões, esporros, dúvidas e brigadeiro: contato@tostada.com.br

O melhor jeito de ouvir podcasts é pelo feed. Copie e cole o link no seu aplicativo de podcasts: http://feeds.feedburner.com/tostadacast

TostadaLinks |Logan, Power Rangers, Westworld

Mas um TostadaLinks com tudo que aconteceu essa semana que você precisa ver! Adiantando, Power Rangers, sempre bancamos.

Hugh Jackman posta vídeo com dublador br oficial – Ídolo

Warner planeja filme do Asa Noturna – Tão atirando pra tudo que é lado

Série de Deuses Americanos ganha data de estreia – Promete muito

Novo vídeo de Power Rangers traz música clássica da série de TV – Apelaram para a nostalgia. Correto!

Elenco de Han Solo se reúne em primeira foto oficial do filme –  Sdds

The World of Avatar, novo parque temático da Disney ganha primeiro teaser –  < que Small World certamente

Rei Arthur: A Lenda da Espada ganha trailer ao som de Led Zeppelin – Tá ficando bom heim

Rodrigo Santoro e Evan Rachel Wood explicam Westworld em vídeo dos bastidores –  Quem não viu, veja, porque vai ter TostadaCast

As estreias de março no Netflix –  Senta que lá vem maratona

Ator define sétima temporada de Game of Thrones como “caos absoluto” – DRACARYS NESSA PORRA TODA

Emma Watson cantando como Bela em “A Bela e a Fera” – Não sei o que dizer, só sentir

Star Wars: Os Últimos Jedi será o título brasileiro do Episódio VIII –  Plural. Fim.